O Papa que não queria motorista..

0
384

Depois de arrumar toda a bagagem do Papa FRANCISCO, o motorista reparou que o Papa ainda se encontrava no exterior do veículo.
– “Desculpe-me Sua Santidade”, disse o motorista, “Não se importa de ocupar o seu lugar para que possamos seguir?”.
– “Bem, para dizer a verdade”, diz o Papa, “No Vaticano nunca me deixavam conduzir quando era Cardeal, como Papa ainda menos, e apetecia-me mesmo conduzir hoje!”.
– “Desculpe-me Sua Santidade, mas não posso fazer isso. Perderia o meu emprego! E se acontecesse alguma coisa?” protestou o motorista, desejando não ter ido trabalhar nessa manhã.
– “E quem é que vai contar?, diz o Papa com um sorriso.
Relutantemente, o motorista senta-se atrás, enquanto o Papa ocupa o lugar ao volante. O motorista imediatamente se arrepende pois, mal deixam o aeroporto o Papa mete o prego a fundo acelerando a limusina até aos 205 km/h.



– “Por favor, Sua Santidade!” implora o preocupado motorista; mas o Papa continua com o prego a fundo até que se ouvem sirenes.
– “Oh, meu Deus, vou perder a minha carta de condução e o emprego!”, soluçava o motorista.
O Papa encosta a limusina e desce o vidro quando o polícia se aproxima. Quando este olha para ele, regressa à mota e estabelece contacto rádio com a Central.
– “Preciso de falar com o Chefe”, informa ao operador.

O Chefe responde e o guarda diz-lhe que mandou parar uma limusina que seguia a 205 km/h.
– “Então aplica-lhe a multa”, diz o Chefe.
– “Não creio que devamos fazer isso, ele é mesmo importante”, diz o polícia.
O Chefe exclama:
– “Por isso mesmo, multa o sacana!”
– “Não, é que é MESMO importante”, insiste o guarda.
Então o Chefe pergunta:
– “Quem tens aí, o Presidente da Câmara?”
E o polícia:
– “Mais alto”.
O Chefe:
– “Um deputado?”
Polícia:
– “Mais importante”.


Chefe:
– “O Primeiro Ministro?”.
Polícia:
– “Muito mais!”.
– “Bolas”, diz o Chefe, “então quem é?”.
O polícia:
– “Acho que é Deus!”.
O Chefe fica atrapalhado.
– “E o que te leva a pensar que seja Deus?”.
Polícia:
– “É que o motorista Dele … é o Papa!”.